Status: ostentação, direito de ser feliz ou um mal negócio ?

Status: ostentação, direito de ser feliz ou um mal negócio ?

Status

Vamos repercutir aqui hoje uma postagem bem interessante do Gustavo Cerbasi no Facebook sobre o tema status.

Aliás, diga-se de passagem, Gustavo Cerbasi é hoje um dos melhores educadores financeiros do Brasil e tudo que ele publica é bastante útil e relevante.

Quem não gosta de usufruir de bons serviços, viajar bem, dirigir um carro bacana etc ? Gastar dinheiro é bom, não é.

Mas, o que seria, então, os status e como isso afeta os nossos padrões de consumo e, por consequência direta, os nossos padrões de investimentos ?

Algumas pessoas dizem que andar num carro de luxo confere status a seu proprietário.

Outras dizem que frequentar lugares sofisticados ou até passar em determinado concurso público traria status ao seu ocupante.

Cada um tem a sua noção do que é “status”, mas como isso pode afetar o caminho para o sucesso financeiro de uma pessoa ?

Muito simples, dinheiro gasto em status é dinheiro que poderia estar investido no banco e trazendo retorno concreto para você sem que você tivesse trabalho algum (custo de oportunidade).

Para o Gustavo Cerbasi, que busca lidar com mais eficiência e eficácia com dinheiro, status é quase sempre comprar coisas que você não quer, com o dinheiro que você não tem,  para convencer pessoas que você não gosta que você é quem ainda não conseguiu ser.

É fumo !

Então, fique atento e não embarque nessa “canoa furada”.

Cuidado para não entrar, involuntariamente, na onda do carro da moda, do investimento do momento, da viagem que “todo mundo está fazendo” e acabar comprometendo seus verdadeiros sonhos.

Reflita se isso é algo que você quer mesmo para você ?

Se for, então, mãos à luta, você tem o direito de ser feliz e desde que tome as decisões econômicas, que sejam boas para você, tudo bem. Lembre-se apenas que o dinheiro não aceita desaforo.

Uma compra impensada de um automóvel caro hoje pode significar menos dinheiro para você pagar a faculdade de seus filhos em 10 ou 15 anos.

Fazer algo ou comprar um bem unicamente por status é jogar dinheiro fora.

E, completando, seja feliz!

Viva a sua vida (e não a dos outros)

Um comentário sobre “Status: ostentação, direito de ser feliz ou um mal negócio ?

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *