Como você lida com riscos financeiros em sua vida?

Como você lida com riscos financeiros em sua vida?

Como você lida com riscos financeiros em sua vida?

Por Lélio Braga Calhau

Como você lida com os riscos financeiros na sua vida? Você os antecipa? Toma medida para minimizá-los em caso de surgirem eventos negativos (uma perda de emprego, um acidente de carro, uma doença na família etc.)?

Qual é a sua abordagem quando se trata de administrar os riscos financeiros de sua vida ou de seus familiares?

Recentemente, vi uma matéria que dizia que o brasileiro, em muitos casos, usa muito pouco o seguro como um mecanismo social para diluir os riscos financeiros de eventos negativos em sua vida.  Além disso, muita gente tende a deixar para lidar com acasos financeiros, desfavoráveis, somente depois que eles ocorrem, o que é pior e muito mais caro.

Vamos deixar de lado o seguro de automóvel que já, a meu ver, foi bem assimilado pela sociedade civil. Você que tem filhos, já se preocupou alguma vez com o que pode acontecer com eles, em caso de seu óbito precoce? Ninguém quer morrer cedo. Eu não quero, você não quer, ninguém quer. Mas já parou para pensar se isto ocorrer hoje? Sua família tem como se levantar de um baque financeiro tão violento como esse que é perder um dos provedores?

Alguém pode pensar que restam, ainda, os benefícios sociais. Uma vez eu os utilizei. Depois de dez anos no Banco do Brasil, utilizei o seguro-desemprego até conseguir uma recolocação no mercado de trabalho. Foi bom, mas era pouco.

Embora algumas pessoas não concordem, ficar sempre recorrendo a esses benefícios, pode demonstrar que o profissional não está se preparando de forma adequada para o mercado.

Caso você nos últimos anos tenha utilizado, por exemplo, o seguro-desemprego várias vezes, talvez não seja o sinal que o país esteja indo mal economicamente (crises vem, crise vão) ou que as empresas não te deram valor, mas que você não está se esforçando efetivamente para se adequar às “regras do jogo”.

Tome cuidado, porque fazer qualquer curso profissional e sair sem saber nada, mas tendo o diploma, não te protege de nada.

O que importa para as empresas é se o trabalhador está apto para resolver problemas ou não. É só a gente olhar para perto e ver o monte de conhecidos que vivem fazendo cursos e, nos últimos dez anos, não saíram do lugar na vida, ou até andaram para trás.

Podemos ser demitidos a qualquer momento nas empresas e a “reserva de emergência” existe é para essas situações negativas. Possibilita que você se recoloque, com o tempo, de forma adequada no mercado com menos riscos financeiros.

Ter seguros, em alguns casos, diminui muito o risco de sua família ficar na “rua da amargura”, ou que você não tenha condição de se levantar novamente, em caso, de doença. Ou até protege o seu filho, para que ele tenha condição futuramente de conseguir uma formação profissional (e não só o diploma) caso você não esteja mais aqui neste mundo.

Por fim, ter seguros, administrar riscos, construir uma “reserva financeira sólida”, talvez, sejam os caminhos que lhe faltam para proteger e garantir uma melhor vida no futuro para você e seus familiares. Queira ir mais longe!

Lélio Braga Calhau é Promotor de Justiça de defesa do consumidor do Ministério Público de Minas Gerais. Graduado em Psicologia pela UNIVALE, é Mestre em Direito do Estado e Cidadania pela UFG-RJ e Coordenador do site e do Podcast “Educação Financeira para Todos”.

Sobre a Educação Financeira para Todos:

www.educacaofinanceiraparatodos.com

Criado e mantido por Lélio Braga Calhau, Promotor de Justiça do Consumidor no Ministério Público de Minas Gerais, o Portal Educação Financeira Para Todos promove conteúdo gratuito sobre planejamento financeiro. Sua missão é conscientizar os consumidores brasileiros através de artigos, cases, vídeos e reflexões sobre gastos sem planejamento.