Mandala, dinheiro fácil, prejuízo e crimes: fique longe disso

Mandala, dinheiro fácil, prejuízo e crimes: fique longe disso

Pirâmides Financeiras.

As pirâmides financeiras, que já lesaram milhões de pessoas mundo afora, não dão sossego para os consumidores.

A “Mandala da Prosperidade” é outra dessas pirâmides, que, de forma não sustentável, lesa pessoas onde é aplicada.

Um esquema em pirâmide conhecido também como pirâmide financeira, é um modelo comercial previsivelmente não sustentável.

Ele depende basicamente do recrutamento progressivo de outras pessoas para o esquema, a níveis insustentáveis (Wikipedia).

Volta e meia ressurgem com novos nomes/métodos e acabam enganando pessoas, que buscam o dinheiro fácil e acabam tomando prejuízo.

Não participe de nenhuma corrente financeira!

Se você for adicionado em um grupo de Watsapp com essa proposta (ou outra parecida), exclua e bloqueie o grupo.

E mais!

Oriente seus familiares próximos a não participarem de jeito nenhum desse tipo de atividade ilícita.

Não passe para frente nenhuma postagem de pirâmide financeira, porque você pode ser acusado de ser um colaborador do esquema e ter problemas com a justiça.

Crime contra a economia popular.

Vejam recentemente um caso de condenação por crime contra a economia popular de uma pessoa que divulgava uma “pirâmide financeira”:

TJDF. A Turma negou provimento a recurso de apelação interposta por réu condenado pela prática de crime contra a economia popular.

Segundo a Relatoria, o acusado distribuía panfletos em via pública com propaganda de sistema conhecido por ‘pirâmide financeira’, em que uma pessoa convida outra, e assim sucessivamente, para realizar doação de módica quantia, prometendo, em contrapartida, lucros exorbitantes aos integrantes do grupo.

Nesse contexto, a Julgadora explicou que a conduta de tentar obter ganhos ilícitos em detrimento do povo ou de número indeterminado de pessoas mediante especulações ou processos fraudulentos constitui crime contra a economia popular (art. 2º, inciso IX da Lei 1.521/1951).

Para os Julgadores, a ‘pirâmide financeira’ constitui método de captação de recursos voltado para ludibriar eventuais incautos mediante a promessa de ganho fácil que jamais se concretizará, a não ser em benefício daquele que encabeça o grupo.

Dessa forma, ao reconhecer a ilicitude e reprovabilidade da conduta, o Colegiado confirmou a condenação pela prática de crime contra a economia popular. 

Acórdão n.524839, 20080310223220 APJ, Relatora: DIVA LUCY DE FARIA PEREIRA, 1ª Turma Recursal dos Juizados Especiais Cíveis e Criminais do DF, Data de Julgamento: 02/08/2011, Publicado no DJE: 08/08/2011. Pág.: 175.

Assista, também, matérias esclarecedoras recentes sobre essa pirâmide financeira:

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *