Empréstimos “em pele de cordeiro” – Oferta “na rua” é a pior do mercado

Nos tempos atuais, não é tão difícil você ser abordado nas ruas por pessoas oferecendo educadamente “empréstimos”.

Mantenha distância desse tipo de oferta, se você zela pelo seu equilíbrio financeiro.

De forma quase abusiva, alguns desses profissionais, em especial, procuram oferecer empréstimos para idosos e pessoas com pouco instrução, buscando ganhar comissões significativas sobre os contratos assinados e com juros elevadíssimos.

Na imensa maioria das vezes, esses são os empréstimos com os juros mais terríveis do mercado. Alguns chegam ao absurdo de 15% ao mês.

Evite tomar empréstimos, mas caso tenha necessidade de tomar algum, consulte várias instituições financeiras diferentes e pesquise as modalidades com juros menores (Ex: penhor, crédito consignado, CDC etc) e evite ficar devendo cartão de crédito e cheque especial (duas modalidades com juros terríveis também).

Separei esta dica para você, que é a página do Banco Central que trata de juros e taxas praticados pelo mercado. Caso tenha que pegar um empréstimo, consulte esta página antes e pesquise MUITO o assunto. Para acessá-la, basta clicar AQUI.

Fique atento, pois, eventualmente, instituições financeiras cobram juros menores e usam taxas maiores e o empréstimo pode, ao final, ser mais caro, que outro.

Peça sempre, então, a planilha com o CET – Custo Efetivo Total para comparar dois empréstimos diferentes e exija isso SEMPRE por escrito, para ficar mais protegido de propostas verbais maliciosas.

Um comentário sobre “Empréstimos “em pele de cordeiro” – Oferta “na rua” é a pior do mercado

  1. Governador Valadares está cheia desses abutres na Av. Minas Gerais. Quase arrastam os idosos para dentro dessas lojas. Já vi idoso que depende do andador para caminhar quase serem puxados para dentro de uma dessas lojas. Foi de cortar o coração.

    Comigo que sou jovem as “profissionais” frente de loja nem olham.

    Esse tipo de trabalho (ou subemprego) traz, de fato, algum progresso para a economia do cidade?

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *