Tesouro Direto – Dicas para escolher uma instituição financeira

O Tesouro Direto (TD) se chama direto porque é você, investidor, quem decide em quais títulos investir e, por isso, recebe 100% da rentabilidade oferecida pelos títulos públicos emitidos pelo Tesouro Nacional. Antes do Tesouro Direto, o investimento em títulos públicos por pessoas físicas era possível somente indiretamente, por meio do mercado secundário, o que exigia a aplicação de grandes volumes, ou por meio da aquisição de cotas de fundos de renda fixa que cobravam elevadas taxas de administração, especialmente em aplicações de baixo valor, reduzindo a atratividade desse tipo de investimento.

Mesmo sendo direto, para investir no TD é necessário escolher uma instituição financeira para viabilizar suas transações. Ela é responsável por seu cadastro junto a BM&FBOVESPA e por intermediar a transferência dos recursos financeiros e títulos, além de lhe fornecer apoio e acesso a funcionalidades como home broker, especialistas, palestras sobre investimentos, etc.

Vale ressaltar que quando você investe em títulos públicos, eles são registrados sob sua titularidade (em seu CPF) no ambiente seguro da BM&FBOVESPA. Isso reforça a segurança da sua aplicação, pois permite ao investidor mudar de instituição financeira, na eventualidade de problemas com o seu agente intermediário original, sem colocar em risco o investimento. Lembramos também que você pode investir no TD por várias instituições financeiras diferentes, basta se habilitar em cada uma delas.

Pensando em sua comodidade, listamos abaixo pontos que você deve dar atenção e dicas para ajudá-lo a escolher a sua instituição financeira para investir no TD.

1. Verifique a lista das instituições financeiras habilitadas a operar no Tesouro Direto em nosso site,aqui. Ressaltamos que todas as informações apresentadas nessa lista foram fornecidas pelas próprias instituições e podem ser alteradas por elas. O Tesouro Nacional recomenda contatar a corretora ou banco escolhido e confirmá-las previamente.

2. A lista acima informa a taxa de administração cobrada por cada instituição para fazer a intermediação, variando entre 0,0% e 2,0% ao ano. A maior parte das instituições adota taxas entre 0,1% e 0,5% ao ano. Atenção também para o formato da cobrança, que pode ser semestral, anual ou por operação.

3. Outra informação importante é o prazo de repasse dos recursos da instituição financeira para sua conta, que determina quando você vai receber o valor da sua aplicação após resgatar seu investimento. Esse repasse pode ocorrer no mesmo dia ou no próximo dia útil após a instituição receber o recurso do Tesouro Nacional. Cada instituição define qual padrão irá adotar, e na lista apresentada no site do TD você pode consultar esse dado. Observação: por sua vez, o Tesouro Nacional transfere o montante no mesmo dia útil , se for um evento de pagamento de juros semestrais ou vencimento do título; ou no dia útil seguinte, se for referente a um resgate antes da data de vencimento do título.

4. Você também pode verificar se a seu banco está na lista das instituições habilitadas no Tesouro Direto. Utilizando o seu banco, você terá a comodidade de não precisar transferir recursos para a instituição financeira escolhida (via TED, DOC ou depósito bancário). Nesse caso, quando investir em um título pelo TD, os recursos sairão diretamente da sua conta corrente; assim como quando resgatar seu investimento, o valor também será transferido diretamente para sua conta corrente. Isso ocorre para a maior parte das instituições bancárias que operam no Tesouro Direto, porém, antes de iniciar seus investimentos, confirme junto ao banco qual o procedimento em vigor. Adicionalmente, algumas corretoras possuem convênios com bancos para disponibilizar a funcionalidade do débito e resgate automático na conta corrente – informe-se com a própria corretora.

5. Via de regra, os investimentos no Tesouro Direto são realizados pelo site do TD. Algumas instituições financeiras permitem que você invista pelo site delas (ou pelo seu home broker) – nesse caso, são denominadas Agentes Integrados. A integração dos sistemas se traduz em maior facilidade para você, pois as compras de títulos poderão ser feitas diretamente no site da própria instituição. Mas atenção: algumas instituições integradas permitem investir no TD apenas pelo site delas, impedindo operações pelo site do TD (nesse caso, o acesso à área restrita do site do TD permanece disponível, porém apenas para consulta do extrato) – confirme com sua instituição qual o procedimento que ela adota.

6. Se para você é importante uma instituição que lhe dê um apoio maior no que tange a informações sobre o Tesouro Direto, acesso a palestras e consulta com especialistas, entre outros, vale a pena entrar em contato com o banco ou corretora em questão e indagá-los sobre os serviços disponibilizados. Algumas instituições fornecem um maior apoio ao investidor e acompanhamento mais de perto, enquanto outras prezam pela maior autonomia do investidor. Cabe a você encontrar a instituição que mais se adequa às suas necessidades.

7. Um outro ponto importante a ser considerado é conhecer os canais de atendimento da instituição. Possíveis canais são: telefone, e-mail, chat ou especialista/gerente com conhecimentos sobre Tesouro Direto. Além disso, pesquise o horário do atendimento: em algumas instituições, essas funcionalidades estão disponíveis em horário comercial, enquanto outras disponibilizam 24h por dia. Verifique com a sua instituição, é interessante conhecer suas opções para o momento quando tiver alguma dúvida sobre seu investimento ou sobre suas informações cadastrais.

8. Algumas instituições permitem ao investidor programar investimentos ou resgates para uma data futura. Se você deseja ter essa funcionalidade, consulte a lista das instituições no site do TD para ver qual disponibiliza essa comodidade.

9. Por fim, um fator importante nas decisões relacionadas a qualquer aplicação financeira é a segurança do investimento. É importante pesquisar sobre a instituição financeira pretendida, e uma das maneiras de fazer isso é verificar se ela possui selos de certificação que atestam o cumprimento de determinados critérios de tecnologia, transparência e qualidade dos serviços prestados, entre outros. Um exemplo de certificação é o selo conferido pelo Programa de Qualificação Operacional da BM&FBOPVESPA. Adicionalmente, pode-se pesquisar o balanço da instituição para averiguar a sua solidez financeira – alguns indicadores de solvência são o Caixa e o Patrimônio Líquido.

Fonte: Site do Tesouro Nacional.

Para acessar diretamente as dicas acima e muitas outras mais de grande interesse para os investidores, clique AQUI.